Fundadores

BP casa general 1 webPADRE JOSE MARIA COUDRIN  – “O Bom Padre”

SUA INFÂNCIA – Coussay-les-Bois é um pequeno povoado da França, próximo à cidade de Poitiers. Ali nasceu, em 1º de março de 1768, Pedro Coudrin, segundo filho de Abraham Coudrin e Maria Rion. Teve três irmãos: João, o mais velho, Carlos e Maria. Sua família era simples, de lavradores, onde Coudrin começou a descobrir a vida, a partir de um ambiente cristão.

JUVENTUDE – Quando tinha 17 anos, no outono de 1785, ingressa na Universidade de Poitiers, passando a viver numa pensão com uma modesta família de carpinteiros. Estudou Filosofia, obtendo o título de Bacharel e no ano seguinte a licenciatura em “Artes”. Começou seus estudos de Teologia em 1787.

SACERDOTE NA CLANDESTINIDADE – Foi ordenado sacerdote secretamente, aos 04 de março de 1792, na Biblioteca dos Irlandeses, em Paris. E aos 08 de abril de 1792 celebra sua Primeira Missa Solene, em sua terra natal. Nos primeiros dias não fez nada para ocultar-se daqueles que perseguiam os sacerdotes, mas chegou o momento em que não podia seguir aparecendo para o povo sem perigo para ele e sua família. Por isso no mesmo dia da primeira Missa teve que fugir. Por esta ocasião, seu primo e ele fingiram que iam fazer uma grande viagem.

Pedro Coudrin se retirou para a granja do castelo de “La Motte d’Usseau”, a 8 km de Chatellereau. O granjeiro era um primo seu. Coudrin permaneceu escondido no celeiro até 20 de outubro de 1792. Foram cinco meses de reclusão e para ele de profunda experiência espiritual, fecundos em conseqüências. Um dia, estando no celeiro, depois de um momento de intensa oração, teve uma espécie de visão: uma grande fila de homens e mulheres vestidos de branco, dispostos a levar o Evangelho a todo o mundo. A partir de então mudou notavelmente o horizonte de sua vida. O celeiro era um quartinho sem janelas e onde não se podia ficar de pé. Ao deixar o esconderijo, exerceu seu ministério sacerdotal clandestinamente, e chegou a conhecer aquela que seria a co-fundadora da Congregação.  Várias vezes esteve a ponto de ser descoberto.

PROFISSÃO RELIGIOSA. Na noite do Natal do ano de 1800, antes de celebrar a missa do Galo, o Pe. Coudrin se ajoelhou nas escadas do altar e pronunciou seus primeiros votos religiosos, juntamente com Enriqueta. Este momento é considerado como o nascimento da Congregação.

“No dia 24 de dezembro do ano de 1800, às onze e quarenta e cinco da noite, eu, irmão José Maria, faço voto de castidade, pobreza e obediência seguindo as luzes do Espírito Santo, para bem da Obra, como Zelador do Amor dos Sagrados Corações de Jesus e de Maria, em cujo serviço quero viver e morrer. Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém! ”

–  –  –  –  –  – –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –

Imagem25
HENRIETTE  AYME – “A Boa Madre”

 “VAI E VENDE TUDO O QUE TENS”

Após a morte do rei Luiz XVI, na guilhotina, o terror se impõe em toda a França.  Por ter escondido em sua casa sacerdotes perseguidos pela Revolução Francesa, a jovem Henriette Aymer de La Chevalerie e sua mãe, foram presas, apesar de serem de família nobre. E por tal delito ficaram vários meses na prisão, onde se converteram. Após a saída a vida da jovem, antes mundana, mudou totalmente. E acabou sintonizando-se com os mesmos ideais do Padre Coudrin, seu confessor. Mantiveram longas conversações, intercâmbio de intuições e ideais, chegaram à conclusão de que era hora de constituir uma nova Congregação Religiosa. Eram ambos muito jovens (ela com 30 anos e ele com 29), mas sabiam o que queriam e o que Deus esperava deles.  No dia 23 de junho de 1797, Festa do Sagrado Coração de Jesus, Henriette vendia toda a herança de seu pai e comprava, em segredo, uma grande propriedade na Rua Hautes-Treilles, que seria a primeira casa da Congregação dos Sagrados Corações.

Assim praticava a palavra do Evangelho: VAI E VENDE TUDO O QUE TENS”